terça-feira, 14 de maio de 2013

A vontade de ser sua mãe

Sophia, hoje vou te contar um pouco de como começou sua história... Mas, para não parecer história da carochinha vou deixar o David, pai do Bernardo, te contar como eu queria ser tua mãe. 
 
Corrida para o laboratório
 
Um grande amigo meu, ele e a mulher resolveram procriar mais ou menos na mesma época em que eu e a Marcinha procriamos. Passaram aos trâmites. Aquela coisa, sabe como é: sexo.
Mas o troço não funcionava. Outro amigo, o Amilton Cavalo, que é do Alegrete, chegou a comentar:
- Mas, tchê, essa mulher não engloba!
É a autenticidade fronteiriça, o leitor, por favor, não se choque.
A mulher do meu amigo começou a pressioná-lo para que fizesse o espermograma, o testezinho aquele que fiz tempos atrás e sobre o qual inclusive escrevi. Meu amigo se recusava:
- Não preciso disso!
Só que ela não engravidava e aquilo estava deixando-a aflita. Aí publiquei a tal coluna do espermograma. Meu amigo lamentou:
- Agora vou ter que fazer esse troço também...
Como ele continuava acanhado e dizia que não iria entrar na tal Salinha da Masturbação, a mulher fez-lhe uma proposta: ela mesma iria colher o material de exame no recôndito do lar, a salvo de constrangimentos, e levá-lo ao laboratório. Meu amigo topou. O problema é que o esperma que precisa ser analisado simplesmente falece depois de 20 minutos de exposição ao oxigênio. Quer dizer: ela teria de ser rápida após a colheita do material. Era preciso montar uma logística.
Foi o que ela fez. Primeiro, buscou o potezinho plástico no laboratório. Contou no relógio em quanto tempo fez o trajeto: 13 minutos. Ou seja: tinha uma folga de sete minutos. Parecia o suficiente. Depois, escolheu um vestido fácil de vestir, sapatos e deixou-os à mão, ao lado da cama. A chave do carro ficou na ignição e a porta da garagem permaneceu aberta. Finalmente, chegou o momento da colheita. Fez os trabalhos e talicoisa. Meu amigo contribuiu com sua parte. Ela colocou o material de exame no pote, vestiu-se em 30 segundos e voou escada abaixo, rumo à garagem. Entrou no carro e se foi para o laboratório. O trânsito da manhã estava intenso. Consultou o relógio. Sobravam 16 minutos. A cada sinal, ela conferia o tempo. Quinze minutos. Ingressou numa rua vicinal para experimentar um atalho. Um erro. Havia um carroceiro na rua. Ela perdeu mais alguns segundos de ouro. Impaciente, dava socos no volante. Conseguiu livrar-se do carroceiro. Treze minutos. Mais uma sinaleira. Outra. E mais outra. Onze minutos. O carro zunia pelas avenidas, ignorando pardais e azuizinhos. Quando ela chegou ao prédio do laboratório, restavam cinco minutos. Não estacionou. Abandonou o carro, sem nem fechá-lo, e voou para a recepção. Não tomou o elevador, foi pelas escadas. Subiu os degraus de três em três. Quando atirou-se no balcão, ofegante, faltavam dois minutos para que se completassem os 20 mortais.
- Será que deu? - gritou. - Será que deu???
Deu.
Feito o teste, os espermas do meu amigo foram aprovados com louvor. Estavam bem vivos e lampeiros. Semanas depois, ela engravidou. Ele, orgulhoso, comentou:
- Eu disse que não precisava daquilo!

* David Coimbra - Texto publicado no caderno Meu Filho de Zero Hora em maio de 2008

Charme para guardar as fantasias das princesas



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Estilo do Dia - Dia das mães

 
 Avião sem asa, fogueira sem brasa
Sou eu assim sem você
Futebol sem bola,
Piu-Piu sem Frajola
Sou eu assim sem você
Por que é que tem que ser assim
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
vão poder falar por mim
Amor sem beijinho
Buchecha sem Claudinho
Sou eu assim sem você
Circo sem palhaço,
Namoro sem amasso
Sou eu assim sem você
Tô louco pra te ver chegar
Tô louco pra te ter nas mãos
Deitar no teu abraço
Retomar o pedaço
Que falta no meu coração
Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas
Pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo
Por quê? Por quê?
Neném sem chupeta
Romeu sem Julieta
Sou eu assim sem você
Carro sem estrada
Queijo sem goiabada
Sou eu assim sem você
Por que é que tem que ser assim
Se o meu desejo não tem fim
Eu te quero a todo instante
Nem mil alto-falantes
vão poder falar por mim
Eu não existo longe de você
E a solidão é o meu pior castigo
Eu conto as horas pra poder te ver
Mas o relógio tá de mal comigo

segunda-feira, 6 de maio de 2013

E é só segunda e já tá rolando na casinha...

Sophia há poucos minutos pulando no sofá...
- Mãeeee! Cai do sofá de barriga e agora tá doendo meu esgoto.

Tradução da mãe da Sophia
Esgoto = estômago
praticamente uma poeta!

A arte de ser feliz - Cecília Meireles

Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim
Cecília Meirelles

Estilo do dia: Sábado na Disney on Ice

Vai demorar muito?

Princesa Bela nada Adormecida

- Mamãe os nenês acham que eu sou uma princesa da Disney!

Como já falei no ano passado, ver a família neste clima mágico não tem preço, mas esse ano por precaução ...
já levei na bolsa as luzinhas da Cinderela compradas no ano anterior!